Sobre acessibilidade

Serviços

Notícias Mais Notícias

07/11/2017 - 16:45

Barcarena, Brasil Novo, Paragominas, Portel e Santa Bárbara foram os municípios que se destacaram no III Prêmio Pará Mulher, que contabiliza as metas pactuadas no combate ao câncer de colo de útero e de mama, previstas no regulamento da edição do concurso. O município que teve o melhor desempenho foi Barcarena, representado pelo vice-prefeito Paulo Alcântara, que recebeu o troféu do “Pará Mulher”. A solenidade de ocorreu na manhã desta terça-feira, 7, no auditório da Casa Civil, em Belém.

Durante a cerimônia, representantes desses cinco municípios destacados receberam uma estatueta comemorativa, um certificado de participação, além de kits de informática contendo um (1) computador, uma (1) impressora e um (1) nobreak; uma sala montada para coleta de preventivo com mesa ginecológica, foco móvel, banqueta giratória, escadinha, balde inox, armário vitrine e mesa de mayo, além de 3.000 Kits para coleta de PCCU.

Em outra categoria da premiação, foram homenageados ainda dez municípios por terem alcançado as duas metas dos indicadores de câncer de colo do útero e mama: Curuá, Primavera, Belterra, Canaã dos Carajás, Prainha, Ananindeua, Marituba, Bragança, Bannach e Pau d’Arco. A cada um foi conferido um certificado de homenagem e participação.

Alusiva à campanha “Outubro Rosa”, a terceira edição da premiação foi uma iniciativa do Núcleo de Apoio à Gestão na Atenção a Mulher (Nagam), da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa), em parceria com o Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC). A primeira-dama, Ana Jatene, e o chefe da Casa Civil, José Megale, estiveram entre as autoridades que entregaram prêmios e certificados aos representantes dos municípios que se destacaram no concurso.

Pelo regulamento, a premiação selecionou cinco municípios que conseguiram as duas metas dos indicadores de câncer de colo do útero e mama simultaneamente, a partir do que é pactuado com o Ministério da Saúde por meio do Sistema de Acompanhamento e Monitoramento da Execução de Políticas Públicas do Ministério da Saúde (Sispacto), pelo qual foi possível traçar um diagnóstico a partir das regiões de saúde, estados, municípios e Distrito Federal, além de possibilitar ao gestor desenhar ou redefinir planos e estratégias adequadas às necessidades da população a partir da leitura das estatísticas disponíveis.

Em nota técnica, a organização do concurso explica que a avaliação levou em conta a razão de exames cipatológicos do colo de útero em mulheres de 25 a 64 anos – com meta de 0,40 ou mais – e a razão entre exames de mamografias de rastreamento em mulheres de 50 a 69 anos, com meta de 0,10 ou mais.

Campanha - Durante a cerimônia, a secretária adjunta de Saúde Pública, Heloísa Guimarães, lembrou que a premiação fechou a campanha “Outubro Rosa”, que se destacou por várias ações de mobilização para a detecção prematura do câncer de mama, e também estendida ao do colo de útero, que ocorreram por todo mês com palestras, rodas de conversa e procedimentos.

Dentro da programação Outubro Rosa houve também a “I Caminhada para conscientização do Câncer de Mama”, no dia 21 de outubro, no Parque Estadual do Utinga. Além do Pedal Mulher Nota 100, um evento de ciclismo feminino que ocorreu no dia 22 de outubro, com trajeto de 100 quilômetros de Belém até o município de Colares, na região nordeste.

O objetivo foi intensificar as informações sobre acesso aos serviços de diagnóstico e tratamento, visando à redução da mortalidade. Apenas no Pará, a doença já causou a morte de 2,8 mil mulheres, entre 1996 e 2014, apontam números do Departamento de Informática do Ministério da Saúde (Datasus). Apenas no Hospital Ophir Loyola, que é referência para o tratamento da doença no Estado, cerca de 2 mil novos casos da doença passaram a ser tratados entre 2013 e 2016.

Em 2016, foram realizadas 61.415 mamografias no Estado e como resultado houve uma redução de 12% no número de óbitos no ano de 2016, em relação a 2015. “Nossa meta é continuar reduzindo essas mortes em 2017 e alcançar os 144 municípios paraenses no engajamento dessa campanha. Estamos perto, pois esse ano conseguimos a adesão de 137”, comentou a coordenadora do Nagam da Sespa, Nazaré Falcão, durante explanação dos números no Pará. Segundo o Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), o Câncer de Mama é a segunda causa de óbito em mulheres, sendo o Câncer de Colo do Útero a primeira causa de óbito na população feminina.

Por Mozart Lira

Secretaria de Estado de Saúde Pública